Menu
10 mai 2012

EM QUANTO TEMPO O ATESTADO DEVE SER LEVADO À EMPRESA?

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Quer aumentar seus conhecimentos sobre os assuntos desse blog?

www.congressomedicina.com.br

 Congresso 2015 com Ministro Marco Aurélio

***   ***    ***

Confiram como foi a primeira web-conferência que aconteceu na noite do dia 05/11/2014:

 
 
***   ***   ***


Vídeo-aula sobre esse texto:

Prezados leitores.
 
Segue abaixo uma pergunta que chegou através de meu e-mail.

“Dr. Marcos, boa noite.

Trabalho no RH da empresa XXXX. Gostaria que me tirasse uma dúvida: qual o tempo máximo previsto em lei para que o funcionário traga um atestado médico para empresa, após recebê-lo de seu médico?

Obrigada pela atenção.

YYYYYY”

Quando falamos em Direito precisamos dividi-lo em: Direito Privado e Direito Público.
 
No que tange às relações de emprego no Direito Privado, as regras básicas estão contidas na CLT (Consolidações das Leis Trabalhistas). Sobre em qual tempo que o empregado deve levar o atestado médico à empresa, após recebê-lo do profissional de saúde de sua confiança, a CLT nada fala de forma expressa. Assim, cabe ao empregador arbitrar um tempo razoável para esse fim, e colocar isso da forma mais clara possível no contrato de trabalho e/ou na ordem de serviço dada aos seus empregados.
 
De quanto pode ser esse tempo? Sugiro um tempo que varie de 48 a 72 horas, após recebimento do atestado. Caso, em virtude de seu quadro clínico, o próprio empregado não possa fazer pessoalmente a entrega desse documento na empresa, que um responsável / representante o faça.
 
Por que determinar esse tempo? Lamentavelmente, muitos empregados ainda pensam, por exemplo, que se receberem um atestado sugerindo 90 dias de afastamento, eles podem levar esse atestado à empresa somente após decorridos esses 90 dias, mesmo não tendo recebido nenhum benefício previdenciário durante esse todo esse tempo. Grande engano!  Dependendo das condições clínicas do trabalhador, e considerando a hierarquia dos atestados prevista na Lei 605 / 49, art. 6, parágrafo 2º, o próprio serviço médico da empresa tem a competência legal de discordar do número de dias propostos nesse atestado. Nesse caso, o trabalhador que assumir o risco, e optar por levar esse documento na empresa somente após transcorridos os dias nele descritos, poderá não receber por esse tempo (caso o serviço médico da empresa entenda que eles não sejam necessários). Explorei melhor essa competência do serviço médico da empresa num outro texto desse blog que pode ser visto clicando http://bit.ly/wKJmmR .
 
Ainda no exemplo do atestado de 90 dias, caso o empregado recebesse apenas 30 dias de benefício previdenciário (situação onde o Médico Perito do INSS tivesse discordado do emissor do atestado), e não voltasse à empresa nos 60 dias subseqüentes confiando na eficácia do documento que está em seu poder, em casos extremos, essa atitude poderia configurar até “abandono de emprego”, nos termos da Súmula 32 do TST, que assim nos traz:
 
“Presume-se o abandono de emprego se o trabalhador não retornar ao serviço no prazo de 30 (trinta) dias após a cessação do benefício previdenciário nem justificar o motivo de não o fazer.”
 
Abordei a competência legal do Médico Perito do INSS num outro texto desse blog, clique www.saudeocupacional.org/2011/04/perito-do-inss-x-medico-do-trabalho.html
 
Dessa forma, no Direito Privado, concluímos que a determinação expressa do tempo para entrega do atestado na empresa pelos trabalhadores, muito antes de ser uma arbitrariedade infundada do empregador, é uma atitude que visa segurança jurídica, tanto para o empregado, quanto para o próprio empregador.
 
Já no Direito Público, as relações de trabalho, além da CLT, podem se balizar por outras regras, por exemplo: pelos estatutos dos servidores públicos e pelos contratos de trabalho por tempo determinado. Nesses dois últimos casos o Poder Público, em regra, faz constar nesses instrumentos o prazo para entrega dos atestados recebidos por seus servidores. Como exemplo, temos o Estatuto do Servidor Público de Florianópolis/SC, que assim coloca:
 
“Art. 44, § 3°: O servidor, ou pessoa que por ele responda, encaminhará atestado médico, no prazo de até 48 (quarenta e oito) horas da data em que se iniciou o afastamento do serviço por motivo de doença, para obtenção do laudo da Junta Médica Oficial, na forma regulamentar.”
 
Que Deus nos abençoe.
 
Um forte abraço a todos.
 
Marcos Henrique Mendanha

tags:

Assine a newsletter
SAÚDE OCUPACIONAL.ORG

Receba o conteúdo em primeira mão.